Desenvolvimento e produção de melão Cantaloupe em função do espaçamento e ambientes de cultivo no Cerrado brasileiro

Contenido principal del artículo

Autores

Eduardo Pradi Vendruscolo https://orcid.org/0000-0002-3404-8534
Alexsander Seleguini https://orcid.org/0000-0002-5762-9278
Luiz Fernandes Cardoso Campos https://orcid.org/0000-0001-5171-5194
Aliny Heloísa Alcântara Rodrigues https://orcid.org/0000-0002-3061-5730
Sebastião Ferreira de Lima https://orcid.org/0000-0001-5693-912X

Resumen

A cultura do melão é responsiva ao ambiente de cultivo e às técnicas de produção utilizadas, sendo estes fatores cruciais para a obtenção de frutos de maior qualidade. Desta forma, objetivou-se estudar, o crescimento vegetativo, o potencial produtivo e a qualidade de frutos de meloeiro Cantaloupe em função da redução do espaçamento em dois ambientes de cultivo. Em delineamento experimental de blocos ao acaso, plantas de meloeiro, cultivar Trinity, foram cultivadas em campo aberto e ambiente protegido, sob cinco espaçamentos entre plantas (15, 25, 35, 45 e 55 cm). Observou-se que a taxa de crescimento de plantas, a taxa de emissão foliar, bem como a espessura de casca e polpa, o teor de sólidos solúveis, e o ratio foram superiores sob cultivo protegido. Em relação aos espaçamentos, verificou-se que seu aumento influenciou, de forma linear e positiva, as características de massa seca de plantas, massa fresca de frutos e espessura da polpa. No entanto, o aumento da densidade de plantas aumentou a produtividade. Para velocidade de crescimento, velocidade de emissão foliar e comprimento e circunferência de fruto constataram-se pontos de máximos de 47,50; 53,75; 49,95 e 47,51 cm, respectivamente. Em vista dos resultados, para regiões com condições semelhantes à do presente estudo, o cultivo do meloeiro Cantaloupe é favorecido em condições de cultivo protegido e espaçamentos entre 45 e 55 cm na linha de plantio.

Palabras clave:

Detalles del artículo

Referencias

Bardiviesso, D.M., W.I. Maruyama, L.E. Pessato, A.C.B. Pereira e J.H. Modesto. 2015. Adubação potássica na produção de duas cultivares de meloeiro. Rev. Agric. Neotrop. 2(1), 32-40.

Bezerra, F.M.L., M.D.C.H. Nunes, C.A.S. Freitas e F.L. Silva. 2009. Desempenho de três híbridos de meloeiro sob dois espaçamentos em ambiente protegido na Chapada do Apodi. Rev. Ciênc. Agron. 40(3), 412-416.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2015. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. En: www.sidra.ibge.gov.br; consulta: Fevereiro de 2016.

Campagnol, R., R.T. Matsuzaki e S.C. Mello. 2016. Condução vertical e densidade de plantas de minimelancia em ambiente protegido. Hortic. Bras. 34(1), 137-143. Doi: 10.1590/S0102-053620160000100021

Cardoso, M.R.D., F.F.N. Marcuzzo e J.R. Barros. 2014. Classificação climática de KÖPPEN-GEIGER para o estado de Goiás e o Distrito Federal. Acta Geog. 8(16), 40-55.

Chang, J., X. Wu, Y. Wang, L.A. Meyerson, B. Gu, Y. Min, H. Xue, C. Peng e Y. Ge. 2013. Does growing vegetables in plastic greenhouses enhance regional ecosystem services beyond the food supply? Front. Ecol. Environ. 11(1), 43-49. Doi: 10.1890/100223

Donagemma G.K., V.D.B. Campos, S.B. Calderano, W.G. Teixeira e J.H.M. Viana. 2011. Manual de métodos de análise de solo. 2ª ed. Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Rio de Janeiro, Brasil.

Ferreira, D.F. 2014. Sisvar: a guide for its bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciênc. Agrotecnol. 38(2), 109-112. Doi: 10.1590/S1413-70542014000200001

Martins, S.R., H.S. Fernandes, F.N. Assis e M.E.G. Mendez. 1999. Caracterização climática e manejo de ambientes protegidos: a experiência brasileira. Inf. Agrop. 20(1), 15-23.

Martins, S.R., R.M. Peil, J.E. Schwengber, F.N. Assis e M.E.G. Mendez. 1998. Produção de melão em função de diferentes sistemas de condução de plantas em ambiente protegido. Hortic. Bras. 16(1), 24-30.

Medeiros, J.D., S.C.L. Santos, M.J.T. Câmara e M.Z.D. Negreiros. 2007. Produção de melão Cantaloupe influenciado por coberturas do solo, agrotêxtil e lâminas de irrigação. Hortic. Bras. 25(4), 538-543. Doi: 10.1590/S0102-05362007000400009

Monteiro, S.B. 1995. Irrigação por gotejamento na cultura do melão em estufa e seu feito a produção. Tese de mestrado. Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, Brasil.

Prado, R.D.M. 2008. Nutrição de plantas. Editora UNESP, Jaboticabal, Brasil.

Purquerio, L.F.V. e S.W. Tivelli. 2006. Manejo do ambiente em cultivo protegido. Manual técnico de orientação: projeto hortalimento. Codeagro, São Paulo, Brasil.

Queiroga, F.M.D., J. Novo Junior, S.Â.D.D. Costa, F.D.S. Oliveira Filho, F.H.F. Pereira, A.L.D. Souza Filho, e P.B. Maracaja. 2013. Produção e qualidade de frutos de melão Harper em função de doses de boro. Agrop. Cient. Semi. 9(3), 87-93. Doi: 10.30969/acsa.v9i3.377

Ramos, A.R., R.D.C.S. Dias, e C.A. Aragão. 2009. Densidades de plantio na produtividade e qualidade de frutos de melancia. Hortic. Bras. 27(4), 560-564. Doi: 10.1590/S0102-05362009000400026

Santos, F.G.B., M.Z. Negreiros, J.F. Medeiros, G.H.S. Nunes, D.C. Medeiros e L.C. Grangeiro. 2015. Produção e qualidade de melão Cantaloupe em cultivo protegido temporariamente com agrotêxtil em Mossoró, Rio Grande do Norte. Rev. Ceres 62(1), 93-100. Doi: 10.1590/0034-737X201562010012

Santos H.G., P.K.T. Jacomine, L.H.C. Anjos, V.A. Oliveira, J.F. Lumbreiras, M.R. Coelho, J.A. Almeida, T.J.F. Cunha e J.B. Oliveira. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3ª ed. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Brasília, Brasil.

Sangoi, L., M.A. Gracietti, C. Rampazzo e P. Bianchetti. 2002. Response of brazilian maize hybrids from different eras to changes in plant density. Field Crops Res. 79(1), 39-51. Doi: 10.1016/S0378-4290(02)00124-7

Silva, M.D.C., T. Silva, E.M. Bonfim-Silva e N. Lorraine. 2014. Características produtivas e qualitativas de melão rendilhado adubado com nitrogênio e potássio. Rev. Bras. Eng. Agríc. Ambient. 18(6), 581-587. Doi: 10.1590/S1415-43662014000600003

Silva, I.B., M.Z. Negreiros, K. Kalliany, C.F. Moura, F.C.L. Freitas, G.H.S. Nunes, P.S.L. Silva e L.C. Grangeiro. 2010. Crescimento de pimentão em diferentes arranjos espaciais. Pesq. Agrop. Bras. 45(2), 132-139. Doi: 10.1590/S0100-204X2010000200003

Silva, D.P., J.D. Fonseca, J.C.A. Mota e J.D. Silva. 2003. Densidade de plantio e rendimento de frutos do meloeiro (Cucumis melo L.). Rev. Bras. Frutic. 25(2), 245-247. Doi: 10.1590/S0100-29452003000200015

Vendruscolo, E.P., R.S. Rabelo, L.F.C. Campos, A.P.B. Martins, L.R. Semensato e A. Seleguini. 2017a. Alterações físico-químicas em frutos de melão rendilhado sob aplicação de bioestimulante. Rev. Colomb. Cienc. Hortic. 11(2), 459-463. Doi: 10.17584/rcch.2017v11i2.7413

Vendruscolo, E.P., L.F.C. Campos, A. Seleguini, A.P.B. Martins e S.F.D. Lima. 2017b. Economic viability of muskmelon cultivation in different planting spacing in Brazil central region. Rev. Fac. Nac. Agron. Medellín 70(3), 8319-8325. Doi: 10.15446/rfna.v70n3.62656

Whatley, J.M. e F.R. Whatley. 1982. A luz e a vida das plantas. EDUSP, São Paulo, Brasil.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.