Pinturas históricas do século XIX e discurso identitário: notas sobre iconograia e ensino de História no Paraná

Contenido principal del artículo

Autores

Maria Aparecida Leopoldino

Resumen

O artigo trata do conceito de tempo histórico proposto em livros didáticos brasileiros no uso pedagógico de pinturas sobre o Brasil do século XIX para tratar com o tema da cultura indígena. A História Cultural norteia a análise que, metodologicamente, relaciona história escolar, memória e cultura visual paraabordara complexaquestão debatida pela historiograia brasileira sobre osusos do passado, da memoria e a forma como a História do Brasil foi escrita e contada, durante muito tempo, pela perspectiva do colonizador nos séculos XIX e XX.No desdobramento da relexão, airma que os desaios didáticos ainda permanentes no ensino de História advêm, diante da necessidade de um ensino problematizadorda predominância de uma concepção de tempo característica da modernidade. Nos resultados aponta a importância de situar a produção dos pintores em seu contexto para a compreensão da leitura que se fez do indígena à época e do sentido de diferençapor eles construído.Conclui que a questão permanece atual nesse ensino, fundamentalmente em países colonizados, e que revestir o debate para além do que éconsiderado civilizado ou não civilizado é essencial para uma aprendizagem histórica signiicativa a respeito das diferenças culturais e, nelas, a temporal.

Detalles del artículo

Referencias

Referencias

Almeida, Maria Regina Celestino de. «Os índios na História do Brasil no século XIX: dainvisibilidade ao protagonismo.» Revista História Hoje 1, nº 2 (2012): 21-39.

Amoroso, Marta Crânios e cachaça: coleções ameríndias e exposições no século XIX. Revista de História, vol. 1, nº. 154, (2006), 19- 150. Terra de Índio – Imagens em Aldeamentos do Império. São Paulo: Terceiro Nome. 2014 Artes na web. «Síntese da imigração eslava no Paraná». Acceso el 12 de junio de 2017, http://www.artesnaweb.com.br/index. php?pagina=home&abrir=arte&acervo=1080

Belluzzo, Ana Maria de M. O Brasil dos Viajantes. São Paulo: Metalivros; Salvador: Fundação Odebrecht, 1994.

Benjamin, Walter. «Sobre o conceito de história», en Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, (São Paulo: Brasiliense, 1994): 222 - 223.

Bittencourt, Cerios. «Identidades e ensino de história no Brasil ». In. Carretero, Mario; et.all. Ensino da História e Memória Coletiva. Porto Alegre: ARTMED, 2007, 33-52.

Bloch, Marc. Apologia da História, ou, o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Bueno, Wilma de Lara. Pequenos Exploradores: livro regional: Paraná: geograia, história, arte e cultura: 4º e 5º ano. Curitiba: Positivo, 2014.

Burke, Peter. Testemunha ocular - imagem e história. Bauru: EDUSC, 2004.

Carretero, Mario; Rosa, Alberto; González, Maria F. (2007). «Introdução: ensinar história em tempos de memoria», In: Ensino de História e memoria coletiva. Porto Alegre: Artmed,
2007, p.15.

Chartier, Roger. A história cultural. Lisboa: Difel, 1998. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

Cohn, Clarice. Cultura em transformação: os índios e a civilização. São Paulo em Perspectiva. USP, 15, nº 2, (2001): 36-37.

Elias, Norbert. O processo civilizador. vol. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Edi, 1990. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Glezer, Raquel. «Tempo e história», Ciência e Cultura, 54, nº 2 (2002): 23-24.

Guimarães, Manuel e Luiz Salgado. «Entre amadorismo e proissionalismo: as tensões da prática histórica no século XIX». Topoi 3, nº 5 (2002): 184-200.

Jornal da USP. «Livro expõe política indigenista e o malogrado projeto de aldeamento do século 19». Acceso el 16 de mayo de 2018, http://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/ livro-expoe-politica-indigenista-e-o-malogrado-projeto-dealdeamento- do-seculo-xix/.

Leopoldino, Maria Aparecida. «Construção simbólica da região e invenção da identidade: sobre a narrativa didática de Sebastião Paraná.» Revista de História Regional, vol 21, nº 2
(2016): 628-643.

Marcante, Maicon Fernando. «Produção e relações comerciais do aldeamento indígena São Pedro de Alcântara (1875-1880)». Revista Cesumar - Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, vol 16, nº. 1 (2011): 147-168.

Meneses, Ulpiano. «Os paradoxos da memoria», En Memória e cultura, organizado por Danilo Santos de Miranda, 13-33. São Paulo: SESC, 2007.

Paraná, Arquivo Público. Coleção Catálago seletivo de documentos referentes aos indígenas no Paraná provincial (1853-1870), vol. 3. Curitiba, 2007.

Paraná, Arquivo Público. Coleção Catálago seletivo de documentos referentes aos indígenas no Paraná provincial (1871-1892), vol. 4. Curitiba, 2009.

Petrone, Pasquale. Aldeamentos paulistas. São Paulo: Edusp, 1995.

Ricoeur, Paul. Tempo e narrativa. Tomo I. São Paulo: Papirus, 1994.

Vergara, Moema de Rezende. «A Exploração dos rios Amazonas e Madeira no Império Brasileiro por Franz Keller-Leuzinger: imprensa e nação». Almanack, nº 6 (2013): 81-94. DOI: dx.doi.
org/10.1590/2236-463320130606.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.