Formação de mulheres professoras afrodescendentes condição e profissão docente na região dos inconfidentes

Contenido principal del artículo

Autores

Jose Rubens Lima Jardilino
Margareth Diniz

Resumen

O presente artigo oferece uma reflexão sobre as trajetórias formativas de professoras afrodescendentes na região dos inconfidentes, no estado de Minas Gerais, no sudeste brasileiro. A pesquisa realizada por meio de narrativas e histórias de vida de professores rurais, utilizando-se do método de conversações. Como base teórica se trabalha as categorias de gênero e raça a partir da construção das varias identidades com as quais os/as docentes vão desenvolvendo suas carreiras profissionais. Os resultados vêm demonstrando que os sujeitos da pesquisa – professoras do ensino básico da Região têm certa dificuldade de incorporar as identidades de raça e gênero em suas práticas educacionais e sociais.

Palabras clave:

Detalles del artículo

Licencia

 

  1. Los autores/as conservarán sus derechos de autor y garantizarán a la revista el derecho de primera publicación de su obra, el cuál estará simultáneamente sujeto a la Licencia de reconocimiento de Creative Commons que permite a terceros compartir la obra siempre que se indique su autor y su primera publicación esta revista.
  2. Los autores/as podrán adoptar otros acuerdos de licencia no exclusiva de distribución de la versión de la obra publicada (p. ej.: depositarla en un archivo telemático institucional o publicarla en un volumen monográfico) siempre que se indique la publicación inicial en esta revista.
  3. Se permite y recomienda a los autores/as difundir su obra a través de Internet (p. ej.: en archivos telemáticos institucionales o en su página web) antes y durante el proceso de envío, lo cual puede producir intercambios interesantes y aumentar las citas de la obra publicada. (Véase El efecto del acceso abierto).

Referencias

Assiz, Marta Diniz Paulo. “identidade negra e vozes e espaço educacional: contribuições do multiculturalismo”. Cadernos de Pesquisa. Vol. 34 (2004): 709-724.
Buter, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003.
Chamon Magda. Trajetória de Feminização do Magistério: ambiguidades e conflitos.Belo Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC, 2005.
Cunha, Renata Cristina. “A pesquisa narrativa: uma estratégia investigativa sobre o ser professor”. V Encontro de pesquisa em Educação da UFPI. Teresina, PI. 2009. Disponível em: http://www.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/eventos/evento2009/GT.2/35_Renata%20Cristina%20da%20Cunha.pdf (Acesso em 03/07/2013).
Diniz, Margareth. “Subjetividade e gênero: incidências no trabalho docente”. In: Professor, profissão em três tempos: gênero, saúde e saber docente.(Org.) Figueiredo, Adriana Maria de ET al. OuroPreto: Ed. UFOP, 2006.
Faria Filho, Luciano Mendes de; Macedo, Elenice Fontoura de Paula. “A feminização do magistério em Minas Gerais (1860-1910): política, legislação e dados estatísticos”. In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba - Pr. 2004.
Ferraz, Claudia Itaborahy; Diniz, Margareth. A mulher professora e seus tropeços diante da diferença.Jundiaí: Ed. Paco Editorial, 2014.
Freitas, Maria Teresa Menezes; Fiorentini, Dario. “As possibilidades formativas e investigativas da narrativa em educação matemática”. Horizontes, Vol. 25, No. 1 (2007): 63-71.
Fonseca Marcus; Vinicius. “O predomínio dos negros nas escolas de Minas Gerais do século XIX”. In. Educação e Pesquisa, São Paulo, Vol. 35, No.3 (2009):585-599.
Gatti, Bernardete. A. (coord.); Barreto, Elba de. Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasilia: UNESCO, 2009.
Garcia, Carlos Marcelo. “A identidade docente: constante e desafios”. Trad. Cristina Antunes. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente. Belo Horizonte, Vol.1, No.1, (2009): 109-131, ago./dez. 2009.
Canguilhem Georges. O Normal e o Patológico. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.
Josso Marie Christine. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Editora Cortez, São Paulo, 2004.
Lima Jardilino, José Rubens. “Educadora, Feminista, Indigenista: LeolindaFigueiredoDaltro, uma “Dama” da educação brasileira no final do século XIX” Revista Historia de la Educación Latinoamericana, Vol. 18, No. 26, enero-junio, (2016): 7-11
Lopes, José Rogério. Os caminhos da identidade nas Ciências Sociais e suas metamorfoses na psicologia social. Psicologia&Sociedade; No. 14 (1): 7-27; jan./jun.(2002): 7-27.
Louro, Guacira Lopes. “Gênero e magistério: identidade, história e representação”. In: Docência, memória e gênero. Estudo sobre formação. (Org.) Catani, Denise et al. São Paulo: Ed. Escrituras, 1997.
Mello, Dilma Maria de. Histórias de subversão do currículo, conflitos e resistências: buscando espaço para a formação do professor na aula de língua inglesa no curso de Letras. 2004. 225f. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem – Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
Neri, Regina. A psicanálise e o feminino: um horizonte da modernidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2005.
Nóvoa, Antônio (org.). “O passado e o presente dos professores”. In: Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1999.
Nóvoa, António. “Os professores e as histórias de suas vidas”. In: Vidas de professores.(Org.) Nóvoa, António.Porto: Porto Editora, 1995.
Oliveira, Fátima. “Ser negro no Brasil: alcances e limites”. Estudos em debate. Vol.18, No.50. São Paulo Jan./Apr. 2004 in. http://dx.doi.org/10 (Acessado em 14 de junho de 2016).
Oliveira, Eliana de. O processo de produção da profissão docente: profissionalização, prática pedagógica e associativismo dos professores públicos primários em Minas Gerais (1871-1911). Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, 2011.
Oliveira, Dalila A.; Vieira, Lívia M. F. Trabalho docente naeducação básica no Brasil. Belo Horizonte: GESTRADO/UFMG, 2010. 80 p. Relatório de pesquisa.Disponívelem:http://www.trabalhodocente.net.br
Pedruzzi, Jumara S. A Escola Normal de Ouro Preto: Instituição, sujeitos e Formação Docente (1889-1929).Monografia (Graduação em História), Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2014.
Pedruzzi, JumaraSeraphim. A Escola Normal de Ouro Preto: Instituição e formação docente no contexto educacional mineiro do século XIX (1835-1889).Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2016.
Pereira, Ricardo Pereira. ‘Issonão é próprio de umamocinha’ ou o horror do feminino. In: Professor, profissãoemtrês tempos: gênero, saúde e saber docente. (Org.)Figueredo, Adriana Maria de et al. OuroPreto: Ed. UFOP, 2006.
Rocha, Adair José dos Santos. A educação feminina nos séculos XVIII e XIX: intenções dos bispos para o recolhimento nossa senhora de macaúbas. Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Belo Horizonte, 2008.
Rosa, Walquíria Miranda. Instrução pública e profissão docente em Minas Gerais (1825- 1852). (Faculdade de Educação Universidade Federal de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, 2001).
Silva José Gustavo Almeida da Instrução feminina e formação docente: A Escola Normal do Colégio Providência em Mariana (1906-1930). Monografia de Conclusão de Graduação. Licenciatura em História. Universidade Federal de Ouro Preto, 2014.
Scott, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, Vol.16, No. 2, jul./dez, 1990. Disponível em: < http://www.direito.mppr.mp.br/arquivos/File/SCOTTJoanGenero.pdf>. (Acesso em: 15 de novembro de 2014).
Souza, Elizeu.Clementino.de (Org.). Autobiografias, História de Vida e Formação: pesquisa e ensino. Salvador/Bahia: EDUNEB - EDIPUCRS, 2006.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.