Mobilidade geográfica e carreira: um estudo sobre profissionais que migraram para os Estados Unidos.

Mobilidade geográfica e carreira: um estudo sobre profissionais que migraram para os Estados Unidos.

Contenido principal del artículo

Tamara Cecilia Karawejczyk

Resumen

Este estudo tem o intuito de investigar a mobilidade geográfica e a carreira dos profissionais que migram para os Estados Unidos. Para um melhor entendimento do assunto, as teorias relacionadas a noções de cultura e à cultura organizacional, incluindo a cultura americana, a trajetória de carreira profissional e a mobilidade geográfica oferecem o suporte necessário. O método de estudo escolhido foi o qualitativo exploratório e a técnica de análise foi a do discurso do sujeito coletivo, pois a intenção era a compreensão do todo e não a do individual. Para alcançar o objetivo, realizou-se entrevista com quinze profissionais de diferentes nacionalidades, que se enquadravam nas características da pesquisa, da empresa norte-americana Golden Gate. Como resultado desta investigação, foi categorizado em duas seções: perfil e trajetória de carreira dos entrevistados e mobilidade geográfica e trabalho nos Estados Unidos. A segunda seção permitiu a construção de seis categorias: motivos de saída do país de origem, motivos da escolha pelos Estados Unidos, conseguir emprego, dificuldades encontradas, motivos da permanência nos Estados Unidos e plano de carreira para o futuro.

Palabras clave:

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Referencias (VER)

Alonso, V. (2007). Aprendendo a decifrar os códigos culturais. HSM Management 60. São Paulo: HSM do Brasil, 1 (60).

Direnzo, M. y Greenhaus, J. (2011). Job search and voluntary turnover in a boundaryless world: A control theory perspective. Academy of Management Review, 36(3), pp. 567–589.

Freitas, M. (1991). “Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto”. Makron Books do Brasil Editora Ltda. São Paulo.

Freitas, M. (2002). “Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? ” Editora FGV. 3. Ed. Rio de Janeiro.

Gelfand, M., Leslie, Lisa M., Keller, K., y Dedreu, C. (2010). Cultures of conflict: how leaders and members shape conflict cultures in organizations. Academy of Management Proceedings.

Jannuzzi, P. (2000). “Migração e mobilidade social: migrantes no mercado de trabalho paulista”. Campinas – SP, p. 14.

Johnson, L. (2006). Motivating employees to go above and beyond. Harvard management update. pp. 3-4.

Macdonald, B. (2004). “Organizations strain to retain high performers: Tips for motivating employees”. Canadian Manager.

Neto, A., Tanure, B., y Andrade, J. (2010). Executivas: Carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE – Revista de Administração de Empresas, 9 (1).

Piovesan, A., y Temporini, E. (1995). Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista Saúde Pública, São Paulo, 29 (4)

Pozas, R. (2008). O fenômeno da distancia psicológica na percepção dos exportadores brasileiros no estabelecimento de negócios com os Estados Unidos da América. 2008. 149f Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de PósGraduação em Administração, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS.

Reuter, C. (2011). A survey of ‘culture and finance’. Revue de l'association française de finance, 32 (1).

Ridilla, P. (2002). Motivating Employees Begins With Key People. Air conditioning, heating and refrigeration news.

Rodrigues, G. (2011). Até que ponto o dinheiro motiva ou não as pessoas. Disponível em: <http://www.rhportal.com.br/artigos/wmview.php?idc_cad=nlnhfcndk>. Acesso em: 5 de mai. 2011.

Citado por: