Um panorama histórico das diretrizes curriculares para a formação de professores e a docência em matemática no Brasil: da lei de primeiras letras à LDB/96

A historical overview of the curricular guidelines for teacher training and mathematics teaching in Brazil: from the First Letters Law to LDB/96

Contenido principal del artículo

Flavio Augusto Leite Taveira
Deise Peralta

Resumen

Neste artigo, intentamos compartilhar os resultados de uma investigação que objetivou levantar as principais marcas de implantações de diretrizes curriculares para a formação de professores e o ensino de Matemática nas principais reformas curriculares presentes na literatura. Em termos metodológico, a investigação se caracteriza como pesquisa bibliográfica e documental em currículos prescritos. Como resultados, foi possível caracterizar marcas de implantações de diretrizes curriculares para a formação de professores e a docência em Matemática nos seguintes movimentos de reformas: Lei de Primeiras Letras (e as Escolas Normais), Reformas Francisco Campos, Reforma Gustavo Capanema, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1961, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1971 e Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996.

Palabras clave:

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Biografía del autor/a (VER)

Flavio Augusto Leite Taveira, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Para a Ciência e Licenciado em Matemática (2020) pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Compõe o Grupo de Pesquisa em Currículo: Estudos, Práticas e Avaliação (Gepac/Unesp/CNPq). Atua como membro do Núcleo de Apoio e Discussão de Gênero e Sexualidade (Nugens) da Unesp. Foi Bolsista da Capes no âmbito do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI - Portugal), realizando Graduação Sanduíche junto à Escola de Ciências da Universidade do Minho (UMinho) em Braga, Portugal (2018-2019) e também Bolsista Pibic/CNPq na área de Educação (2019-2020). Representante na Red de Estudiantes y Egresados de Posgrado en Educación en Latinoamérica (REDEPEL). Seus estudos e reflexões ocorrem no âmbito da Educação Matemática, com ênfase em Currículo e Filosofia (Teoria Crítica). É Sócio da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM).

Deise Peralta, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Doutora em Educação para a Ciência, Mestra em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem e Graduada em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Foi bolsista de Pós-doutorado em Desenvolvimento Curricular pela Universidade do Minho (UMinho), sob supervisão do Prof Dr José Augusto Pacheco. Foi bolsista produtividade do CNPq de 2015 a 2021. Atualmente é professora no Departamento de Economia, Administração e Educação no campus de Jaboticabal da Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" (Unesp) e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência (Unesp campus Bauru). Lidera o Grupo de Pesquisa em Currículo: Estudos, Práticas e Avaliação- Gepac (Unesp), sendo também pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisa em Teoria Crítica (Unesp). Integra a Sociedade Brasileira de Educação Matemática (Sbem) e a Associação Brasileira de Currículo (ABdC). Representante na Rede de Pós-Graduação em Educação da América Latina (Redpel). Editora da Revista Currículo, Cultura e Identidade (Recculti). Tem experiência em Educação Matemática e atuado em atividades de pesquisa, extensão e orientação, permeando os campos da Filosofia (Teoria Crítica) e do Currículo.

Referencias (VER)

Almeida, M., e Housome, Y. (2018). As disciplinas científicas do ensino básico na legislação educacional brasileira nos anos de 1960 e 1970. Revista Ensaio, 20, 1-25, e9723. https://doi.org/10.1590/1983-211720182001025 DOI: https://doi.org/10.1590/1983-211720182001025

ANPEd, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. (2019). Posição da ANPEd sobre texto referência - DCN e BNCC para formação inicial e continuada de Professores da Educação Básica. Website: https://www.anped.org.br/news/posicao-da-anped-sobre-texto-referencia-dcn-e-bncc-para-formacao-inicial-e-continuada-de

ANFOPE, Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação. (2019). BASE NACIONAL COMUM PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (BNC-FORMAÇÃO): Ocultar, silenciar, inverter para o capital dominar. Website: https://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2019/11/BNCF-Celi-Taffarel-24112019.pdf

Aranha, M. (2002). História da Educação. Editora Moderna.

Brito, A., e Miorim, M. (2018). Para início de história. Em A. Brito, M. Miorim, e A. Ferreira, (Orgs.). História de formação de professores: a docência da matemática no Brasil (pp. 7-18). Editora da Universidade Federal da Bahia.

Brito, A., Miorim, M., e Ferreira, A. (2018) (Orgs.). História de formação de professores: a docência da matemática no Brasil. Editora da Universidade Federal da Bahia.

Câmara dos Deputados. (1827, 15 de outubro). Lei de 15 de outubro de 1827. Manda crear escolas de primeiras letras em todas as cidades, villas e logares mais populosos do Imperio. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei_sn/1824-1899/lei-38398-15-outubro-1827-566692-publicacaooriginal-90222-pl.html

Câmara dos Deputados. (1942, 9 de abril). Decreto-lei nº. 4.244. Lei orgânica do ensino secundário. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4244-9-abril-1942-414155-publicacaooriginal-1-pe.html

Câmara dos Deputados. (1961, 20 de dezembro). Lei nº 4.024. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html

Câmara dos Deputados. (1971, 11 de agosto). Lei nº 5.692. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html

Câmara dos Deputados. (1996, 20 de dezembro). Lei nº 9.394. Estabelece as Diretrizes e Bases da educação nacional. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf

Candau, V. (2013). Reformas Educacionais hoje na América Latina. Em A. Barbosa (Org.). Currículo: Políticas e Práticas (pp. 29-42). Editora Papirus.

Carvalho, C., e Espindola, M. (2019). As reformas curriculares e a formação de professores: implicações para a docência. Revista HISTEDBR, 19, 1-15, e019059. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654652 DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654652

Carvalho, K. (2018). Formação de professores e práticas aritméticas nas Escolas Normal e Primária da Província do Rio de Janeiro. Em A. Brito, M. Miorim, e A. Ferreira (Orgs.). História de formação de professores: a docência da matemática no Brasil (pp. 51-76). Editora da Universidade Federal da Bahia.

Cellard, A. (2008). A análise documental. Em J. Poupart, J. Deslauriers, L. Groulx, A. Laperrière, R. Mayer e A. Pires (Orgs). Pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. (pp. 295-316). Editora Vozes.

Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil. (1932, 4 de abril). Decreto nº 21.241. Consolida as disposições sobre a organização do ensino secundário e dá outras providências. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21241-4-abril-1932-503517-publicacaooriginal-81464-pe.html

Dallabrida, N. (2009). A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, 32(2), 185-191. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/5520

Dallabrida, N. (2014). O MEC-INEP contra a Reforma Capanema: renovação do ensino secundário na década de 1950. Perspectiva, 32(2), 407-427. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2014v32n2p407 DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2014v32n2p407

Fraser, N. (2001). Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era pós-socialista. Em J. Sousa (Ed) Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. (p. 245-282). Editora da Universidade de Brasília.

Freitas, L. C. (2014). Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, 35(129), 1085-1114. https://www.scielo.br/j/es/a/xm7bSyCfyKm64zWGNbdy4Gx/abstract/?lang=pt DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817

Gomes, M., e Silva, C. (2012). O debate acerca do ensino público nas discussões sobre a lei de diretrizes e bases da educação nacional (1961). Educação e Fronteiras, 2(4), 62-79. https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/1558

Gonçalves, C. (2016). Escola de primeiras letras: o ensino público primário em Pernambuco durante a segunda metade do século. Universidade Federal de Pernambuco.

Goodson, I. (1995). Currículo: teoria e história. Editora Vozes.

Martins, M. (1984). Estudo da evolução do ensino secundário no Brasil e no Paraná, em ênfase na disciplina de matemática. Universidade Federal do Paraná.

Martins-Salandim, M. (2018). Uma cartografia da formação de professores que ensinam matemática: o interior do estado de São Paulo na década de 1960. Em A.

Brito, M. Miorim, e A. Ferreira (Orgs.). História de formação de professores: a docência da matemática no Brasil. (pp. 169-194). Editora da Universidade Federal da Bahia.

Matheus, M. (2007). Ensino médio no Brasil: determinações históricas. Publicátio UEPG, 15(1), 77-87. https://revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/594

Ministério da Educação. (2019, 20 de dezembro). Resolução CNE/CP nº 2. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192

Ministério da Educação. (2020, 27 de outubro). Resolução CNE/CP nº 1. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=164841-rcp001-20&category_slug=outubro-2020-pdf&Itemid=30192

Montalvão, S. (2010). A LDB de 1961: apontamentos para uma história política da educação. Revista Mosaico, 2(3), 21-39. https://doi.org/10.12660/rm.v2n3.2010.62786 DOI: https://doi.org/10.12660/rm.v2n3.2010.62786

Monteiro, N. (2007). O Brasil de Clóvis Salgado. Museu Histórico Abílio Barreto.

Oliveira, S. (2012). A lei de diretrizes e bases da educação nacional de 1971: o ensino médio no contexto autoritário da ditadura militar (1964-1985). Ensino de Sociologia em Debate, 2(1). 1-20.

Peralta, D. (2019). Habermas e as professoras e professores de matemática: vislumbrando oásis. Appris.

Peralta, D. (2022). Mulheres, matemática e a proposta curricular das «escolas de primeiras letras»: uma perspectiva da ética discursiva habermasiana. Ciência & Educação, 28, e22016. https://doi.org/10.1590/1516-731320220016 DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320220016

Peralta, D., Neves da Silva, J., e Pacheco, J. (2018). A Racionalidade Subjacente em Processos de Implantações Curriculares: um Olhar Habermasiano sobre Relatos de Professores de Matemática. Educação em Revista, 19, 33-52. https://doi.org/10.36311/2236-5192.2018.v19n1.03.p33 DOI: https://doi.org/10.36311/2236-5192.2018.v19n1.03.p33

Pietropaolo, R. (1999). Parâmetros curriculares nacionais: uma análise dos pareceres. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Queirós, V. (2013). Lei nº 5692/1971 e o Ensino de 1º grau: concepções e representações. XI Congresso Nacional de Educação, Curitiba, Brasil.

Rodrigues, W. (2008). Osvaldo Sangiorgi e o Movimento da Matemática Moderna no Brasil. Revista Diálogo Educacional, 8(25), 583-613. https://doi.org/10.7213/rde.v8i25.3724 DOI: https://doi.org/10.7213/rde.v8i25.3724

Romanelli, O. (1978). História da educação no Brasil 1930-73. Editora Vozes.

Santos, M. (2003). História da Educação Brasileira. A Organização Escolar. Autores Associados.

Santos, M. (2011). A instituição do ensino de primeiras letras no Brasil 1757-1827. Universidade Federal do Sergipe.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155. https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012

Silva, J. (2018). Reformas Educacionais e Políticas Curriculares para a Educação. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 10(2), 199-213. https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/27355 DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v10i2.27355

Silva, S., e Manrique, A. (2015). Reformas curriculares em cursos de licenciatura de Matemática: intenções necessárias e insuficientes. Ciência & Educação, 21(3), 623-635. https://doi.org/10.1590/1516-731320150030007 DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320150030007

Soares, F. (2018). Ensino de matemática e docência nos oitocentos. Em A. Brito, M. Miorim, e A. Ferreira (Orgs.). História de formação de professores: a docência da matemática no Brasil. (p. 19-50). Editora da Universidade Federal da Bahia.

SBEM, Sociedade Brasileira de Educação Matemática. (2022). Posição da SBEM sobre Texto Referência - BNCC e Diretrizes para formação de professores da Educação Básica. Website. http://www.sbembrasil.org.br/sbembrasil/index.php/noticias/873-posicao-da-sociedade-brasileira-de-educacao-matematica-sbem-sobre-o-texto-referencia-diretrizes-curriculares-nacionais-e-base-nacional-comum-para-a-formacao-inicial-e-continuada-de-professores-da-educacao-basica

Souza, A. (2003). Reformas educacionais: descentralização, gestão e autonomia escolar. Educar, 22, 17-49. http://www.scielo.br/pdf/er/n22/n22a02.pdf DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.311

Tavares, F., e Martins, C. (2019). Study of prescribed curricular documents: (de)composing na investigation methodology. Educar em Revista, 35(78), 225-241. https://doi.org/10.1590/0104-4060.69522 DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.69522

Taveira, F. (2022). Os Referenciais do Campo do Currículo presentes nas Produções de Dossiês Temáticos em Periódicos de Educação Matemática. Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, 12(1), 236-256. https://doi.org/10.37001/ripem.v12i1.2852 DOI: https://doi.org/10.37001/ripem.v12i1.2852

Citado por: