Água enquanto disputa epistêmica e política para além dos três estados da água - Entrevista com o professor Carlos Walter Porto-Gonçalves

Água enquanto disputa epistêmica e política para além dos três estados da água - Entrevista com o professor Carlos Walter Porto-Gonçalves

Contenido principal del artículo

Wladimir Mejía Ayala

Resumen

Entrevista com o professor Carlos Walter Porto-Gonçalves


Geógrafo brasileiro, formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal Fluminense, o Dr. Carlos Walter Porto-Gonçalves2 foi presidente da Associação de Geógrafos Brasileiros entre 1998 e 2000 e é coordenador do Laboratório de Estudos de Movimentos Sociais e Territoriais (LEMTO), bem como membro do grupo de trabalho “Hegemonías y emancipaciones” do Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO). Ele foi galardonado em 2004 com o Prêmio Chico Mendes em Ciência e Tecnologia pelo Ministério do Meio Ambiente do Brasil; em 2008, com o prêmio Casa de Las Américas, concedido em Cuba; e, em 2019, com o Prêmio Milton Santos otorgado durante o Encontro de Geógrafos da América Latina (EGAL), realizado na cidade de Quito, Equador. Seu pensamento contribuiu profundamente para a discussão sobre ecologia política, movimentos sociais e questões ambientais em geral, tornando-o um dos geógrafos, pesquisadores e autores mais influentes da área latino-americana. É autor de várias publicações sobre geografia humana e social, que incluem principalmente os livros: “A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização” (Civilização Brasileira, 2006) e “Amazônia: encruzilhada civilizatória. Tensões territoriais em curso” (CIDES-UMSA, 2018).

Palabras clave:

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Biografía del autor/a (VER)

Wladimir Mejía Ayala, Programa de Estudios de Postgrado en Geografía EPG, Convenio IGAC - UPTC, Colombia

Entrevista realizada por Wladimir Mejía Ayala (WMA), doutor em Geografia, professor da Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia (Pós-Graduação em Geografia EPG / UPTC-IGAC), em Bogotá. Editor da revista Perspectiva Geográfica.

Referencias (VER)

Altvater, E. (1995). O Preço da Riqueza: Pilhagem Ambiental e a Nova (Des) ordem Mundial. Unesp.

Barlow, M. e Clarke, T. (2003). Ouro Azul – Como as grandes corporações estão se apoderando da água doce do nosso planeta. M. Brooks.

Bartholo, R. (1986). Razão e Moeda. A ciência moderna como forma de conhecimento e a forma dinheiro da mercadoria como síntese social. Novos Rumos, 1, p. 211-226. https://www.escavador.com/sobre/2319623/roberto-dos-santos-bartholo-junior

Castoriadis, C. (1982). A Instituição Imaginária da Sociedade. Paz e Terra.

Castro-Gómez, S. (2005). La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva

Granada (1750-1816). Editorial Pontifícia Universidad Javeriana. http://www.scielo. org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-48072006000200018

Guatarri, F. e Rolnik, S. (2000). Micropolítica: cartografias do desejo. Vozes.

Melville, R. e Cirelli, C. (2000). La crisis del agua. Sus dimensiones ecológica, cultural y política. Revista Memoria,(134). https://www.researchgate.net/publication/279446217_La_crisis_del_agua_Sus_dimensiones_ecologica_cultural_y_politica

Oliveira, B. (2002). Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. UFMG.

Porto-Gonçalves, C-W. (1989). Os (Des)caminhos do Meio Ambiente. Contexto.

(2004) O desafio ambiental. Rio de Janeiro: http://www.planetaverde.org/arquivos/biblioteca/arquivo_20180702143948_7222.pdf

(2005) Água não se Nega a Ninguém (A necessidade de ouvir outras vozes). Revista Polis. (5); pp. 39-69.

(2007). A luta pela apropriação e reapropriação social da água na América Latina. In Fernandes, B.M. Campesinato e Agronegócio na América Latina: A questão agrária atual. Expressão popular.p 195-221.

(2011). A geopolítica da água e a crise do conhecimento. In Trevisol, Joviles Vitório e Scheibe, Luiz Fernando (Org). Bacia Hidrográfica do Rio do Peixe: natureza e sociedade. Unoesc.

(2000). As Minas e os Gerais - Breve ensaio sobre desenvolvimento e sustentabilidade a partir da Geografia do Norte de Minas. In Guimarães, P. W. et al. Cerrado e desenvolvimento: tradição e atualidade. Unimontes, pp. 19-45.

Citado por: