Crescimento, produção e qualidade de frutos de tomateiro em cultivo adensado com uso de paclobutrazol

Contenido principal del artículo

Autores

Nozimary Carneiro Ferreira
Eduardo Pradi Vendruscolo
Wilson de Souza Dourado
Cleiton Gredson Sabin Benett
Alexsander Seleguini
Abadia dos Reis Nascimento

Resumen

O estudo teve como objetivo avaliar o efeito da aplicação do regulador de crescimento paclobutrazol nas mudas e do espaçamento entre plantas na linha de plantio do tomate industrial. O experimento foi conduzido de julho a outubro de 2013 em Anápolis, GO. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados, em esquema fatorial de 5×2 (espaçamento × presença ou ausência de paclobutrazol). Foram determinados o comprimento da haste principal e diâmetro médio do caule das plantas, teor de clorofila nas folhas, produção total (t ha-1), número médio de frutos e massa fresca de frutos, distribuição dos frutos em maduro, verde e deteriorados, número de frutos maduro e verde, massa média de frutos maduro e verde, teores de sólidos solúveis, acidez titulável, pH, relação SS/AT, porcentagem de compressão e força máxima para rompimento da epiderme e resíduo de paclobutrazol nos frutos. Os resultados mostraram que a aplicação de paclobutrazol influencia até os 15 após o transplantio o comprimento das hastes e o teor de clorofila nas folhas, mostrando que o efeito do regulador é limitado durante o ciclo da cultura, não influenciando sobre os parâmetros de produção do tomate industrial. A aplicação de PBZ não influenciou em nenhum dos parâmetros de qualidade química e física avaliados. As densidades de plantio estudadas não alteraram os componentes de produção e qualidade de frutos do tomateiro. Não foram detectados resíduos de paclobutrazol em frutos de tomateiro para processamento industrial que receberam a aplicação do regulador nas muda

Detalles del artículo

Referencias

Adpawar, R.M., P.B. Kale, V.S. Kale, N.S. Guputa e S.G. Bharad. 2000. Effect of spacing and staking on growth, yield and quality of tomato var. Dhanshree. Ann. Plant Physiol. 14(1), 26-31.

Berova, M. e Z. Zlatev. 2000. Physiological response and yield of paclobutrazol treated tomato plants (Lycopersicon esculentum Mill.). J. Plant Growth Regul. 30(2), 117-123. Doi: 10.1023/A:1006300326975

Carvalho, L.A. e J. Tessarioli Neto. 2005. Produtividade de tomate em ambiente protegido, em função do espaçamento e número de ramos por planta. Hort. Bras. 23(4), 986- 989. Doi: 10.1590/S0102-05362005000400025

Embrapa Hortaliças. 2003. Cultivo de tomate para industrialização. Em: Sistema de Produção, Em: Sistema de Produção, http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustrial/cultivares.htm ; consulta: dezembro de 2016.

Rabelo, M. 2014. Faeg participa do Congresso Brasileiro de Tomate Industrial, Michelle Rabelo, 27 nov. 2014. Em: Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, Em: Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, http://sistemafaeg.com.br/noticias/10796-faeg-participa-docongresso-brasileiro-de-tomate-industrial ; consulta: dezembro de 2016.

Fery, R.L. e J. Janick. 1970. Effect of planting pattern and population pressure on the yield response of tomato. HortScience 5, 443-444.

Fontes, P.C.R. e D.J.H. Silva. 2005. Cultura do tomate. pp. 457-475. In: Rezende, P.C. (ed.). Olericultura: teoria e prática. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Brasil.

Instituto Adolfo Lutz. 1985. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análises de alimentos. 3ª ed. IMESP, São Paulo, Brasil.

Nichols, M.A. 1987. Plant spacing: key to greater process vegetable crop productivity. Acta Hortic. 220, 223-228.

Nimer, E. 1979. Climatologia do Brasil. IBGE, Rio de Janeiro, Brasil.

Nunhems Tech Sheet. 2014. N901 Tomate híbrido - Processamento. Em: Nunhems, Em: Nunhems, http://nunhems.com.br/www/NunhemsInternet.nsf/CropData/BR_PT_TOP/$file/BR_TOP_N901.pdf ; consulta: julho de 2014.

Peil, R.M.N., A.R. Albuquerque Neto e C.V. Rombaldi. 2014. Densidade de plantio e genótipos de tomateiro cereja em sistema fechado de cultivo em substrato. Hort. Bras. 32(2), 234-240. Doi: 10.1590/S0102-05362014000200021

Schwarz, K., J.T.V. Resende, A.P. Preczenhak, J.T. Paula e D.M. Dias. 2013. Desempenho agronômico e qualidade físico-química de híbridos de tomateiro em cultivo rasteiro. Hort. Bras. 31(3), 410-418. Doi: 10.1590/S0102-05362013000300011

Seleguini, A., S. Seno e G.B. Zizas. 2002. Influência do espaçamento entre plantas e número de cachos por plantas na cultura do tomateiro, em condições de ambiente protegido. Hort. Bras. 20(2), 25-28.

Seleguini, A. , S. Seno e M.J.A. Faria Júnior. 2006. Espaçamento entre plantas e número de rácimos para tomateiro em ambiente protegido. Acta Sci. Agron. 28(3), 359-363.

Seleguini, A., E.P. Vendruscolo, L.F.C. Campos e M.J.A. Faria Júnior. 2016. Efeito do paclobutrazol sobre o crescimento de plantas e produção de tomate (Solanum lycopersicum L.) em ambiente protegido. Sci. Agropecu. 7(4), 355-363. Doi: 10.17268/sci.agropecu.2016.04.04

Silva, K.S. e M.J.A. Faria Junior. 2011. Uso de paclobutrazol como estratégia para redução do porte e da brotação lateral de plantas de tomateiro. Ciênc. Agrotec. 35(3), 539-546. Doi: 10.1590/S1413-70542011005000004

Symons, P.R.R. 1989. Paclobutrazol: it’s application and effect on aspects of plant morphology, anatomy, biochemistry and physiology. Department of Horticultural Science; University of Natal, Pietermaritzburg, KZN.

Taiz, L., E. Zeiger, I.M. Moller e A. Murphy. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6ª ed. Artmed, Porto Alegre, Brasil.

Wamser, A.F., S. Mueller, A. Suzuki, W.F. Becker e J.P. Santos. 2012. Produtividade de híbridos de tomate submetidos ao cultivo superadensado. Hort. Bras. 30(1), 168-174. Doi: 10.1590/S0102-05362012000100028

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.