Crescimento, produção e qualidade de frutos de tomateiro em cultivo adensado com uso de paclobutrazol

Contenido principal del artículo

Autores

Nozimary Carneiro Ferreira https://orcid.org/0000-0003-3770-8646
Eduardo Pradi Vendruscolo https://orcid.org/0000-0002-3404-8534
Alexsander Seleguini https://orcid.org/0000-0002-5762-9278
Wilson de Souza Dourado https://orcid.org/0000-0002-6879-4041
Cleiton Gredson Sabin Benett https://orcid.org/0000-0001-7525-1857
Abadia dos Reis Nascimento https://orcid.org/0000-0003-3952-5878

Resumen

O estudo teve como objetivo avaliar o efeito da aplicação do regulador de crescimento paclobutrazol nas mudas e do espaçamento entre plantas na linha de plantio do tomate industrial. O experimento foi conduzido de julho a outubro de 2013 em Anápolis, GO. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados, em esquema fatorial de 5×2 (espaçamento × presença ou ausência de paclobutrazol). Foram determinados o comprimento da haste principal e diâmetro médio do caule das plantas, teor de clorofila nas folhas, produção total (t ha-1), número médio de frutos e massa fresca de frutos, distribuição dos frutos em maduro, verde e deteriorados, número de frutos maduro e verde, massa média de frutos maduro e verde, teores de sólidos solúveis, acidez titulável, pH, relação SS/AT, porcentagem de compressão e força máxima para rompimento da epiderme e resíduo de paclobutrazol nos frutos. Os resultados mostraram que a aplicação de paclobutrazol influencia até os 15 após o transplantio o comprimento das hastes e o teor de clorofila nas folhas, mostrando que o efeito do regulador é limitado durante o ciclo da cultura, não influenciando sobre os parâmetros de produção do tomate industrial. A aplicação de PBZ não influenciou em nenhum dos parâmetros de qualidade química e física avaliados. As densidades de plantio estudadas não alteraram os componentes de produção e qualidade de frutos do tomateiro. Não foram detectados resíduos de paclobutrazol em frutos de tomateiro para processamento industrial que receberam a aplicação do regulador nas mudas.

Detalles del artículo

Referencias

Adpawar, R.M., P.B. Kale, V.S. Kale, N.S. Guputa e S.G. Bharad. 2000. Effect of spacing and staking on growth, yield and quality of tomato var. Dhanshree. Ann. Plant Physiol. 14(1), 26-31.

Berova, M. e Z. Zlatev. 2000. Physiological response and yield of paclobutrazol treated tomato plants (Lycopersicon esculentum Mill.). J. Plant Growth Regul. 30(2), 117-123. Doi: 10.1023/A:1006300326975

Carvalho, L.A. e J. Tessarioli Neto. 2005. Produtividade de tomate em ambiente protegido, em função do espaçamento e número de ramos por planta. Hort. Bras. 23(4), 986- 989. Doi: 10.1590/S0102-05362005000400025

Embrapa Hortaliças. 2003. Cultivo de tomate para industrialização. Em: Sistema de Produção, Em: Sistema de Produção, http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustrial/cultivares.htm ; consulta: dezembro de 2016.

Rabelo, M. 2014. Faeg participa do Congresso Brasileiro de Tomate Industrial, Michelle Rabelo, 27 nov. 2014. Em: Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, Em: Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, http://sistemafaeg.com.br/noticias/10796-faeg-participa-docongresso-brasileiro-de-tomate-industrial ; consulta: dezembro de 2016.

Fery, R.L. e J. Janick. 1970. Effect of planting pattern and population pressure on the yield response of tomato. HortScience 5, 443-444.

Fontes, P.C.R. e D.J.H. Silva. 2005. Cultura do tomate. pp. 457-475. In: Rezende, P.C. (ed.). Olericultura: teoria e prática. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Brasil.

Instituto Adolfo Lutz. 1985. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análises de alimentos. 3ª ed. IMESP, São Paulo, Brasil.

Nichols, M.A. 1987. Plant spacing: key to greater process vegetable crop productivity. Acta Hortic. 220, 223-228.

Nimer, E. 1979. Climatologia do Brasil. IBGE, Rio de Janeiro, Brasil.

Nunhems Tech Sheet. 2014. N901 Tomate híbrido - Processamento. Em: Nunhems, Em: Nunhems, http://nunhems.com.br/www/NunhemsInternet.nsf/CropData/BR_PT_TOP/$file/BR_TOP_N901.pdf ; consulta: julho de 2014.

Peil, R.M.N., A.R. Albuquerque Neto e C.V. Rombaldi. 2014. Densidade de plantio e genótipos de tomateiro cereja em sistema fechado de cultivo em substrato. Hort. Bras. 32(2), 234-240. Doi: 10.1590/S0102-05362014000200021

Schwarz, K., J.T.V. Resende, A.P. Preczenhak, J.T. Paula e D.M. Dias. 2013. Desempenho agronômico e qualidade físico-química de híbridos de tomateiro em cultivo rasteiro. Hort. Bras. 31(3), 410-418. Doi: 10.1590/S0102-05362013000300011

Seleguini, A., S. Seno e G.B. Zizas. 2002. Influência do espaçamento entre plantas e número de cachos por plantas na cultura do tomateiro, em condições de ambiente protegido. Hort. Bras. 20(2), 25-28.

Seleguini, A. , S. Seno e M.J.A. Faria Júnior. 2006. Espaçamento entre plantas e número de rácimos para tomateiro em ambiente protegido. Acta Sci. Agron. 28(3), 359-363.

Seleguini, A., E.P. Vendruscolo, L.F.C. Campos e M.J.A. Faria Júnior. 2016. Efeito do paclobutrazol sobre o crescimento de plantas e produção de tomate (Solanum lycopersicum L.) em ambiente protegido. Sci. Agropecu. 7(4), 355-363. Doi: 10.17268/sci.agropecu.2016.04.04

Silva, K.S. e M.J.A. Faria Junior. 2011. Uso de paclobutrazol como estratégia para redução do porte e da brotação lateral de plantas de tomateiro. Ciênc. Agrotec. 35(3), 539-546. Doi: 10.1590/S1413-70542011005000004

Symons, P.R.R. 1989. Paclobutrazol: it’s application and effect on aspects of plant morphology, anatomy, biochemistry and physiology. Department of Horticultural Science; University of Natal, Pietermaritzburg, KZN.

Taiz, L., E. Zeiger, I.M. Moller e A. Murphy. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6ª ed. Artmed, Porto Alegre, Brasil.

Wamser, A.F., S. Mueller, A. Suzuki, W.F. Becker e J.P. Santos. 2012. Produtividade de híbridos de tomate submetidos ao cultivo superadensado. Hort. Bras. 30(1), 168-174. Doi: 10.1590/S0102-05362012000100028

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.