Trabalhadores Urbanos, Estudantes e Guerrilheiros escrevem a História a Contrapelo na Sociedade Brasileira de 1968

Carlos Bauer



Resumen


Neste ensaio se analisa a presença dos estudantes, operários e guerrilheiros em alguns episódios políticos registrados a partir de 1968 no Brasil, partindo-se de uma reflexão sobre a estreita relação que esses personagens sociais mantiveram com a luta armada e a da importância da herança política e organizativa que propiciaram aos movimentos sociais que irromperam desde a segunda metade da década de 1970. A presença desses movimentos armados e o seu caráter pedagógico como parte indissolúvel da história dos movimentos sociais permite entendê-los como aqueles que tomam uma direção inesperada, contrária à edificação da ordem e dos mecanismos de dominação que são próprios da sociedade capitalista; mas que ousam virar o mundo de ponta cabeça e semear no solo fértil da história a utopia de uma sociedade sem explorados, nem exploradores.

Palabras clave


movimentos sociais e luta armada; história dos movimentos sociai; década de 1960; movimentos sociais e resistência ao regime militar.

Referencias


REFERÊNCIAS

Alves, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis: Vozes, 1989.

Antunes, Ricardo. O que é sindicalismo. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Bauer, Carlos. Contribuição para a história dos trabalhadores brasileiros. Volume II. A hegemonia vermelha. São Paulo: Edições Pulsar, 1995.

Benjamin, W. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Faria, Hamilton A. “A experiência operária nos anos de resistência (A oposição sindical metalúrgica de São Paulo e a dinâmica do movimento operário)”. Dissertação de Mestrado, PUC-SP, 1986.

Fernandes, Florestan. A ditadura em questão. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 1982.

Filho, Daniel Aarão Reis. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense/MCT-CNPq, 1990.

Frederico, Celso. A esquerda e o movimento operário – 1964/1984 – A reconstrução. Volume III. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1991.

Gohn, Maria da Glória Marcondes. A força da periferia: a luta das mulheres por creches em São Paulo. Petrópolis: Vozes, 1985.

Gorender, Jacob. Combate nas trevas. São Paulo: Ática, 1987.

Ianni, O. A ditadura do grande capital. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Ibrahim, José y José Barreto Campos. “Manifesto de balanço da greve de julho”. Em A esquerda e o movimento operário: 1964/1984. Volume I. A resistência à resistência: 1964/1971, editado pelo Celso Frederico. São Paulo: Novos Rumos, 1987.

Simoes, Carlos. A lei do arrocho: trabalho, previdência e sindicatos no regime militar – 1964/1984. Petrópolis: Vozes, 1986.

Weffort, Francisco C. Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco – 1968. São Paulo: Cebrap, caderno 5, 1972.


Métricas de artículo

Vistas de resumen
17




Cargando métricas ...
_

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Revista Historia de la Educación Latinoamericana© 2018
Doctorado Ciencias de la Educación. Universidad Pedagógica y  Tecnológica de Colombia. Avenida Central del Norte. Edificio Administrativo 2do Piso, Tunja - Boyacá,  Telefax: 8-7448215.
rhela@uptc.edu.co

 

 

Licencia Creative Commons
Este obra está bajo una licencia Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 2.5 Colombia

 

UNIVERSIDAD PEDAGÓGICA Y TECNOLÓGICA DE COLOMBIA
Sede Central Tunja–Boyacá–Colombia
Avenida Central del Norte 39-115
PBX: (57+8) 7405626
portalweb@uptc.edu.co Comentarios de este sitio
Horario de atención y servicio telefónico
8:00 a.m. a 12:00 m y 2:00 p.m a 6:00 p.m.

Atención al Ciudadano
Línea Gratuita: 01 8000 942024
Tel: (57+8) 7428263
quejas.reclamos@uptc.edu.co
Notificaciones Judiciales
Notificaciones de aviso

Institución de Educación Superior sujeta a inspección y vigilancia por el Ministerio de Educación Nacional
Sistema OJS - Metabiblioteca |