Trabajadores urbanos, estudiantes y guerrilleros escriben la historia a contrapelo en la sociedad brasileña de 1968

Urban workers, students, and guerrillas write history against the grain in the Brazilian society of 1968

Contenido principal del artículo

Carlos Bauer

Resumen

En este ensayo se analiza la presencia de los estudiantes, obreros y guerrilleros en algunos episodios políticos registrados a partir de 1968 en Brasil, partiendo de una reflexión sobre la estrecha relación que estos personajes sociales mantuvieron con la lucha armada y la de la importancia de la herencia política y organizativa que propiciaron a los movimientos sociales que irrumpieron desde la segunda mitad de la década de 1970. La presencia de esos movimientos armados y su carácter pedagógico como parte indisoluble de la historia de los movimientos sociales permite entenderlos como aquellos que toman una dirección inesperada contraria a la edificación del orden y de los mecanismos de dominación que son propios de la sociedad capitalista; pero que se atreven a girar el mundo de punta cabeza y sembrar en el suelo fértil de la historia la utopía de una sociedad sin explotar, ni exploradores.

Palabras clave:

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Biografía del autor/a (VER)

Carlos Bauer, Universidade Nove de Julho (Uninove)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Nove de Julho (Uninove) e autor, entre outros, dos livros História e internacionalismo da Escola Nacional Florestan Fernandes, Introdução crítica ao humanismo dialógico de Paulo Freire e A classe operária vai ao campus. Esboço de história social, trabalho precário, resistência e ousadia na universidade brasileira contemporânea (publicados pela Editora Sundermann, in: www.editorasundermann.com.br).

Referencias (VER)

REFERÊNCIAS

Alves, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis: Vozes, 1989.

Antunes, Ricardo. O que é sindicalismo. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Bauer, Carlos. Contribuição para a história dos trabalhadores brasileiros. Volume II. A hegemonia vermelha. São Paulo: Edições Pulsar, 1995.

Benjamin, W. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Faria, Hamilton A. “A experiência operária nos anos de resistência (A oposição sindical metalúrgica de São Paulo e a dinâmica do movimento operário)”. Dissertação de Mestrado, PUC-SP, 1986.

Fernandes, Florestan. A ditadura em questão. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 1982.

Filho, Daniel Aarão Reis. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense/MCT-CNPq, 1990.

Frederico, Celso. A esquerda e o movimento operário – 1964/1984 – A reconstrução. Volume III. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1991.

Gohn, Maria da Glória Marcondes. A força da periferia: a luta das mulheres por creches em São Paulo. Petrópolis: Vozes, 1985.

Gorender, Jacob. Combate nas trevas. São Paulo: Ática, 1987.

Ianni, O. A ditadura do grande capital. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Ibrahim, José y José Barreto Campos. “Manifesto de balanço da greve de julho”. Em A esquerda e o movimento operário: 1964/1984. Volume I. A resistência à resistência: 1964/1971, editado pelo Celso Frederico. São Paulo: Novos Rumos, 1987.

Simoes, Carlos. A lei do arrocho: trabalho, previdência e sindicatos no regime militar – 1964/1984. Petrópolis: Vozes, 1986.

Weffort, Francisco C. Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco – 1968. São Paulo: Cebrap, caderno 5, 1972.

Citado por: