Urban workers, students, and guerrillas write history against the grain in the Brazilian society of 1968

Trabajadores urbanos, estudiantes y guerrilleros escriben la historia a contrapelo en la sociedad brasileña de 1968

Main Article Content

Abstract

This article analyzes the presence of students, workers, and guerrillas in some political episodes documented since 1968 in Brazil. Based on a reflection about the close relationship of these social characters with the armed struggle and the importance of the political and organizational inheritance that fostered the social movements from the second half of the 1970s. The presence of these armed movements and their pedagogical nature, as an indivisible part of the history of social movements, allows us to understand them as agents of unexpected changes, contrary to the settlement of order and the mechanisms of domination, typical characteristics of a capitalist society. These movements dare to turn the world from head to toe and sow, in the fertile soil of history, the utopia of a society neither exploited nor with exploiters.

Keywords:

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

Author Biography (SEE)

Carlos Bauer, Universidade Nove de Julho (Uninove)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Nove de Julho (Uninove) e autor, entre outros, dos livros História e internacionalismo da Escola Nacional Florestan Fernandes, Introdução crítica ao humanismo dialógico de Paulo Freire e A classe operária vai ao campus. Esboço de história social, trabalho precário, resistência e ousadia na universidade brasileira contemporânea (publicados pela Editora Sundermann, in: www.editorasundermann.com.br).

References (SEE)

REFERÊNCIAS

Alves, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis: Vozes, 1989.

Antunes, Ricardo. O que é sindicalismo. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Bauer, Carlos. Contribuição para a história dos trabalhadores brasileiros. Volume II. A hegemonia vermelha. São Paulo: Edições Pulsar, 1995.

Benjamin, W. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Faria, Hamilton A. “A experiência operária nos anos de resistência (A oposição sindical metalúrgica de São Paulo e a dinâmica do movimento operário)”. Dissertação de Mestrado, PUC-SP, 1986.

Fernandes, Florestan. A ditadura em questão. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 1982.

Filho, Daniel Aarão Reis. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense/MCT-CNPq, 1990.

Frederico, Celso. A esquerda e o movimento operário – 1964/1984 – A reconstrução. Volume III. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1991.

Gohn, Maria da Glória Marcondes. A força da periferia: a luta das mulheres por creches em São Paulo. Petrópolis: Vozes, 1985.

Gorender, Jacob. Combate nas trevas. São Paulo: Ática, 1987.

Ianni, O. A ditadura do grande capital. São Paulo: Brasiliense, 1981.

Ibrahim, José y José Barreto Campos. “Manifesto de balanço da greve de julho”. Em A esquerda e o movimento operário: 1964/1984. Volume I. A resistência à resistência: 1964/1971, editado pelo Celso Frederico. São Paulo: Novos Rumos, 1987.

Simoes, Carlos. A lei do arrocho: trabalho, previdência e sindicatos no regime militar – 1964/1984. Petrópolis: Vozes, 1986.

Weffort, Francisco C. Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco – 1968. São Paulo: Cebrap, caderno 5, 1972.

Citado por: