Formación de profesoras y profesores y educación del campo en Brasil: del movimiento a la escuela

Teacher training and countryside education in Brazil: from movement to school

Contenido principal del artículo

Fernando José Martins

Resumen

A partir de la construcción colectiva de la educación del campo (EdC) en Brasil, los movimientos sociales y los sujetos del campo se encuentran con el sistema educativo en la formación de una praxis que pretende atender sus necesidades. La formación del profesorado es parte de este proceso. El texto destaca la inseparabilidad entre la educación inicial y la educación continua, y su contribución a la modalidad de EdC en Brasil. En lo metodológico, se realizó una revisión bibliográfica y una investigación en fuentes documentales primarias vinculadas al proceso de observación e investigación participantes. Como resultados están: los principios pedagógicos que constituyen el movimiento de la EdC; las características de los cursos de formación inicial dirigidos específicamente a la formación de profesores para las escuelas del campo; y los procesos/programas de formación continua con la misma especificidad junto a las unidades escolares del campo. Estos resultados sobre el balance de las actividades muestran que, construida con el apoyo de los movimientos sociales, la EdC se convierte en un movimiento y que la articulación de la realidad objetiva con las prácticas escolares es fundamental en la formación continua.

Palabras clave:

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Referencias (VER)

Andrade, M., & Pierro di, M. (2004). Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária-PRONERA: relatório geral avaliação externa do programa. Ação Educativa Assessoria Pesquisa e Informação.

Anfope. (1998). Documento Final do Encontro Nacional de 1998. http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2018/05/9o-Encontro-Documento-Final-1998.pdf

Anhaia de, E. (2012). Constituição do movimento de educação do campo na luta por políticas de educação [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repositório Institucional da UFSC. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/94505/287951.pdf?sequence

Brandão, C. (1999). Pesquisa Participante (8ª ed.). Editora Brasiliense.

Brasil. (2002). Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Resolução n. 1, de 3 de abril de 2002, Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192

Caldart, R., Pereira, I., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Eds.). (2012). Dicionário da educação do campo. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. https://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l191.pdf

Carldart, R. (2016). Sobre a especificidade da educação do campo e os desafios do momento atual. Em G. Frigotto, & M. Ciavatta (Eds.), Teoria e educação no labirinto do capital (4ª ed., pp. 317-363). Expressão Popular.

Casagrande, N. (2008). A questão agrária e a formação do educador do campo no século XXI: as contribuições da Pedagogia da Terra. Revista Diálogo Educacional, 8(25), 765-785.

D’Agostini, A., & Titton, M. (2014). Política de formação de professores para educação do campo: limites e possibilidades. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, 6(1), 155-173.

Faleiro, W., & Farias, M. (2018). Reflexões sobre os princípios educativos dos movimentos sociais e a educação do campo. Itinerarius Reflectionis, 14(1), 1-18. https://doi.org/ttps://doi.org/10.5216/rir.v14i1.49424

Fals, O. (1999). Orígenes universales y retos actuales de la IAP. Análisis Político, (38), 73-90. https://revistas.unal.edu.co/index.php/anpol/article/view/79283

Franco, M., & Costa, A. (2020). Formação continuada de professores articulada aos princípios da educação do campo: com a palavra as formadoras de professores. Revista Cocar, 14(30), 1-18.

Freire, P. (2001). Política e educação: ensaios (6ª ed.). Cortez.

Freire, P. (2006). A educação na cidade (7ª ed.). Cortez.

Freitas de, H. (2002). Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação. Educação & Sociedade, 23(80), 136-167. https://doi.org/https://doi.org/10.1590/S0101-73302002008000009

Frigotto, G. (2012). Formação Omnilateral. Em R. Caldart, I. Pereira, P. Alentejano, & G. Frigotto (Eds.), Dicionário da educação do campo (pp. 267-274). Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. https://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l191.pdf

Gajardo, M. (2014). Educación y desarrollo rural en América Latina: reinstalando un campo olvidado de las políticas educativas. Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa, 7(3), 15-27. http://repositorio.minedu.gob.pe/bitstream/handle/20.500.12799/3316/Educación y desarrollo rural en

América Latina. Reinstalando un campo olvidado de las políticas educativas.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Lima de, K., Silva da, J., & Alves, S. (2021). Pedagogia da Terra: uma concepção omnilateral de formação humana e profissional. Revista Educação, Pesquisa e Inclusão, (2), 1-12.

Marques, T. (2010). Pedagogia da terra: significados da formação para educadores e educadoras do campo [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS-8CLLTS/1/disserta__o_ufmg__tatyanne_gomes_marques_.pdf

Martins, F. (2012). A pedagogia da terra: os sujeitos do campo e do ensino superior. Revista Educação, Sociedade & Culturas, (36), 103-119. https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC36/ESC36_Fernando.pdf

Martins, F. (2016). Elementos fundamentais da educação do campo. Em C. Ghedini, F. Martins, M. Gehrke, M. Farias, S. Von Onçay, & W. Simões (Orgs.), Educação do campo no Estado do Paraná: um registro das lutas, conquistas e desafios (1998-2012) (1ª ed., pp. 19-43). Edunioeste.

Martins, F. (2020). A escola e a educação do campo. Pimenta Cultural. https://doi.org/10.31560/pimentacultural/2020.031

Marx, K. (2013). O capital: crítica da economia política. O processo de produção do capital (3ª ed.). Boitempo.

Mézáros, I. (2015). A educação para além do capital (3ª ed.). Boitempo.

Molina, M. (2017). Contribuições das Licenciaturas em Educação do Campo para as políticas de formação de educadores. Educação & Sociedade, (38), 587-609.

Molina, M., & Hage, S. (2015). Política de formação de educadores do campo no contexto da expansão da educação superior. Revista Educação em Questão, 51(37), 121-146.

Mora, L. (2020). Educación rural en América Latina Escenarios, tendencias y horizontes de investigación. Márgenes, 1(2), 48-69.

Motta, F. (1984). Administração e participação: reflexões para a educação. Revista da Faculdade de Educação, 10(2), 199-206. https://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/33319

Ribeiro, M. (2008). Pedagogia da alternância na educação rural/do campo: projetos em disputa. Educação e Pesquisa, 34(1), 27-45. https://doi.org/10.1590/S1517-97022008000100003

Ribeiro, M. (2014). Educação Rural: da expropriação dos saberes práticos do camponês à expropriação da terra. Reflexão e Ação, 22(2), 323-346. https://doi.org/10.17058/REA.V22I2.5253

Santos, R. (2017). História da educação do campo no Brasil: o protagonismo dos movimentos sociais. Revista Teias, 18(51), 210-224. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24758

Silva da, I., Campos, I., Zaparoli, W., & Oliveira de, U. (2021). Educação do campo na formação de professores do curso de Pedagogia da UFMA–Campus Imperatriz. Revista Pedagógica, (23), 1-17.

Souza de, M. (2008). Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica. Educação & Sociedade, (29), 1089-1111.

Citado por: