Estado del arte sobre la educación ambiental crítica en el Encuentro Investigación en Educación Ambiental

Contenido principal del artículo

Autores

Dieison Prestes da Silveira https://orcid.org/0000-0002-8446-4157
Leonir Lorenzetti http://orcid.org/0000-0002-0208-2965

Resumen

La educación ambiental crítica [EAC] se presenta como una importante forma de intervención social, ya que ayuda en la promoción y comprensión de los problemas socioambientales en sus múltiples dimensiones. Así, en este artículo se analizaron las investigaciones que abordan la EAC, presentadas en el Encuentro Investigación en Educación Ambiental [EIEA], en el periodo entre 2001 y 2019, teniendo en cuenta sus potencialidades como medio de comunicación científica, pues permite el debate acerca de la educación ambiental y sus conexiones en la contemporaneidad. La metodología usada se basó en una investigación de estado del arte. Se encontraron 898 trabajos en los archivos del EIEA. De estos, se analizaron 41 trabajos que presentaban en el título el término educación ambiental crítica. Para el análisis, se crearon descriptores y categorías. Se adoptó el análisis textual
discursivo para interpretar los datos. En 2017 y en 2015 se presentó la mayor cantidad de
publicaciones de trabajos referentes a la EAC. Se observa que la EAC permite una nueva mirada sobre los asuntos relacionados con la naturaleza y la sociedad, así como sobre las situaciones emergentes en la contemporaneidad, al reflexionar sobre la calidad de vida y las acciones relativas a la naturaleza y a la sociedad.

Palabras clave:

Detalles del artículo

Licencia

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0.

Praxis & Saber is licensed under a https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Referencias

Almeida de, N. (2002). As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, 23(79), 257–272. https://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf

Camargo. T., & Tonso, S. (2011). Educação ambiental crítica e “vivir bien” (suma quamaña). Anais do VI EPEA: a pesquisa em educação ambiental e a Pós-Graduação no Brasil. Ribeirão Preto, USP. http://www.epea.tmp.br/viepea/epea2011_anais/busca/pdf/epea2011-0169-1.pdf

Carvalho. I. (2012). Educação ambiental:a formação do sujeito ecológico. Cortez.

Costa, C., & Loureiro, C. (2015). Interculturalidade, exclusão, e libertação em Paulo Freire na leitura de Enrique Dussel: aproximações para a pesquisa em educação ambiental crítica. Anais do VIII EPEA: a avaliação da década da educação para o desenvolvimento sustentável e perspectivas futuras. Rio de Janeiro, UFRJ. http://epea.tmp.br/epea2015_anais/pdfs/plenary/3.pdf

Chabalgoity, D. (2003). Compreendendo os significados da mudança de paradigmas:pressupostos necessários para a construção de uma educação ambiental crítica. Anais do II EPEA: abordagens epistemológicas e metodológicas. São Carlos, UFScar. http://www.epea.tmp.br/epea2003_anais/pdfs/plenary/13.pdf

Fazenda, I. (1999). Interdisciplinaridade:História, teoria e pesquisa (11ª ed.). Papirus.

Figueira, M., Lima, J., & Selles, S. (2017). Educação ambiental crítica na relação universidade/escola: narrativas docentes. Anais do IX EPEA: democracia, políticas públicas e práticas educativas. Juiz de Fora, UFJF. http://epea.tmp.br/epea2017_anais/pdfs/plenary/0069.pdf

Freire, P. (1986). Educação como prática da liberdade. Editora Paz e Terra.

Guimarães, M. (2004). Educação Ambiental Crítica. Em P. Layrargues (Coord.), Identidades da Educação Ambiental Brasileira (pp. 25-34). MMA.

Guimarães, M. (2011). Caminhos da educação ambiental: da forma à ação. Papirus.

Jesus Jr., C. (2015). Livres e punidos – cinema, memória e racismo ambiental:implicações para a educação ambiental crítica. Anais do VIII EPEA: a avaliação da década da educação para o desenvolvimento sustentável e perspectivas futuras. Rio de Janeiro, UFRJ. http://epea.tmp.br/epea2015_anais/pdfs/plenary/206.pdf

Layrargues, P. (2009). Educação ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. Em C. Loureiro, P. Layrargues, & R. Castro, R. (Eds.), Repensar a educação ambiental:um olhar crítico (pp. 11-31). Cortez.

Layrargues, P., & Lima, G. (2014). As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, 17(1), 23-40.https://www.scielo.br/pdf/asoc/v17n1/v17n1a03.pdf

Layrargues, P., & Loureiro, C. (2013). Ecologia Política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trabalho, Educação e Saúde, 11(1), 53-71. http://dx.doi.org/10.1590/s1981-77462013000100004

Leff, E. (2012). Aventuras da epistemologia ambiental:da articulação das ciências ao diálogo de saberes. Cortez.

Lorenzetti, L. (2008). A Pesquisa em Educação Ambiental no Brasil: uma análise a partir de dissertações e teses [Tese, Doutorado em Educação Científica e Tecnológica]. Repositório da UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/91657/258456.pdf ?sequence=1

Loureiro, C. (2004). Trajetórias e Fundamentos da Educação Ambiental. Editora Cortez.

Loureiro, C. (2006). Educação ambiental e “teorias críticas”. Em Guimarães, M. (Org), Caminhos da educação ambiental:da forma à ação (pp. 51-86). Papirus.

Loureiro, C. (2010). Crítica ao Teoricismo e ao Praticismo na Educação Ambiental. Em A. Neto, F. Macedo-Filho, & M. Batista, M. (Orgs), Educação Ambiental:caminhos traçados, debates políticos e práticas escolares (pp. 15-32). Líber Livro Editora.

Loureiro, C., & Floriano, D. (2017). A construção do objeto de pesquisa em educação ambiental crítica: reflexões a partir de escolas municipais em Duque de Caxias, RJ. Anais do IX EPEA – Democracia políticas públicas e práticas educativas. Juiz de Fora, UFJF. http://epea.tmp.br/epea2017_anais/pdfs/plenary/0052.pdf

Loureiro, C., & Lima, M. (2012). Ampliando o debate entre educação e educação ambiental. Revista Contemporânea de Educação, 7(14), 235-242. https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/download/1669/1518

Michelini, J., & Tozoni-Reis, M. (2007). Pesquisa-ação-educativa junto a adultos em processo de alfabetização na perspectiva da educação ambiental crítica. Anais do IV EPEA: questões epistemológicas contemporâneas: o debate modernidade e pós-modernidade. Rio Claro, UNESP. http://www.epea.tmp.br/epea2007_anais/pdfs/plenary/TR50.pdf

Moraes, R., & Galiazzi, M. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117-128. https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n1/08.pdf

Oliveira, A., & Guimarães, M. (2011). A perspectiva participativa para a inserção da educação ambiental crítica em escolas da Baixada Fluminense. Anais do VI EPEA: a pesquisa em educação ambiental e a Pós-Graduação no Brasil. Ribeirão Preto, USP. http://www.epea.tmp.br/viepea/epea2011_anais/busca/pdf/epea2011-0039-1.pdf

Pereira, P., & Viégas, A. (2019). Educação ambiental crítica e o ensino de geografia:um caminho possível. Anais do X EPEA – Encontro Sergipano de Educação Ambiental, Sergipe, UFS. http://epea.tmp.br/epea2019_anais/pdfs/plenary/0217-1-B-01.pdf

Quintas, J. (2005). Introdução à Gestão Ambiental Pública. MMA/IBAMA.

Quintas, J. (Org.). (2002). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente (2ª ed.). MMA/IBAMA.

Ramos, E. (2001). Educação ambiental: origens e perspectivas. Revista Educar, 1(18), 201-2018. https://www.scielo.br/pdf/er/n18/n18a12.pdf

Reigota, M. (2001). Meio ambiente e representação social. Cortez.

Silva, L. (2009). Educação ambiental crítica e trabalho entre reproduzir e produzir criativamente. Anais do V EPEA: configuração do campo de pesquisa em educação ambiental. São Carlos, UFScar. http://www.epea.tmp.br/epea2009_anais/pdfs/plenary/T69.pdf

Tozoni-Reis, M. (2007). Contribuições para uma pedagogia crítica na educação ambiental: reflexões teóricas. Em C. Loureiro (Org.), A questão ambiental no pensamento crítico:natureza, trabalho e educação (pp. 177-122). Quartet.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.